Minha Casa Pre Fabricada

A perigosa arrogância do Partido Colorado do Paraguai

No papel, pelo menos, Santiago Peña está numa posição invejável.

O presidente do Paraguai, de 45 anos, venceu as eleições do ano passado com uma vitória esmagadora, quebrando a tendência anti-titular observada em todas as eleições livres e justas na América Latina desde 2018. Seu partido controla a maioria em ambas as câmaras do Congresso do Paraguai, algo que líderes vizinhos ambiciosos, como Javier Milei, da Argentina, ou Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, sem dúvida gostariam para si.

Sem mencionar que o Paraguai terminou 2023 com uma impressionante taxa de crescimento do PIB de 4,8%, superior à de qualquer outro país sul-americano, excepto a Guiana, rica em petróleo, e liderou um recente índice de clima económico do think tank brasileiro Fundação Getulio Vargas.

No entanto, Peña tem um problema.

A imagem que ele está a tentar vender ao mundo do seu governo – e do seu país – está a ser manchada pelo seu próprio partido político, a há muito hegemónica Associação Nacional Republicana, mais conhecida como Partido Colorado. E o mentor de Peña, o bilionário presidente do partido Horacio Cartes (que serviu como presidente do Paraguai entre 2013 e 2018), pode ser quem está causando a mancha.

No mês passado, o Senado do Paraguai votou pela expulsão de Kattya González, uma importante voz da oposição, por “abuso de influência”. Toda a bancada da oposição protestou contra a votação, argumentando que uma resolução aprovada pela Câmara em dezembro significava que a destituição de um senador exigia uma maioria absoluta de 30 votos.

A remoção foi realizada de qualquer maneira, e a Sra. González foi destituída de seu assento um dia após a apresentação do caso contra ela.

Apesar de ser um dos dois únicos senadores que representam um partido pequeno, González tem um perfil importante. Ela foi a quarta senadora mais popular do país…



Com informações de Brazilian Report.

Minha Casa Pre Fabricada

Similar Posts