Minha Casa Pre Fabricada

Governo federal inicia nova etapa na investigação sobre vacinação falsa de Bolsonaro

A Polícia Federal iniciou nesta quinta-feira uma segunda operação como parte de uma investigação contra o ex-presidente Jair Bolsonaro e alguns de seus aliados por fraudar registros públicos em 2022 para produzir certificados falsos de vacinação contra a Covid.

Em um comunicado tipicamente breve, a Polícia Federal anunciou que cumpriu dois mandados de busca e apreensão — solicitados pelo Ministério Público Federal e autorizados pelo Supremo Tribunal Federal — nas cidades do Rio de Janeiro e Duque de Caxias.

O veículo de notícias G1 informou que os alvos da operação de hoje foram Washington Reis, atual secretário de Transportes do Rio Janeiro, e Célia Serrano, secretária municipal de Saúde de Duque de Caxias.

Ambos são mencionados em um relatório da Polícia Federal de março de 2024 sobre o caso. O Sr. Reis foi prefeito de Duque de Caxias até o início de 2022, e a Sra. Serrano teria ordenado que funcionários da cidade falsificassem registros públicos de vacinação.

A primeira etapa da investigação começou em maio de 2023, quando autoridades invadiram uma das casas do Sr. Bolsonaro (entre vários endereços) e prenderam seis pessoas, incluindo o tenente-coronel do Exército Mauro Cid, um oficial militar que serviu como seu ajudante de campo.

A investigação revelou que o celular do Tenente-Coronel Cid e um computador no palácio presidencial foram usados ​​em 2022 para criar cópias digitais de um certificado de vacinação contra a Covid fraudulento em nome do Sr. Bolsonaro. O Sr. Bolsonaro disse à Polícia Federal que nunca recebeu uma vacina contra a Covid.

Os certificados falsos poderiam ter permitido que o Sr. Bolsonaro, um conhecido negacionista da Covid e da vacina, viajasse para o exterior ou entrasse em lugares que exigem vacinação. Em 2021, durante uma viagem para falar nas Nações Unidas, o Sr. Bolsonaro comeu pizza na rua em Nova York para evitar mostrar um certificado de vacinação para entrar em um restaurante.

Após quatro meses na prisão, o tenente-coronel Cid concordou com um acordo de delação premiada, que se mostrou frutífero para outras investigações — incluindo uma sobre um plano de golpe apoiado pelo Sr. Bolsonaro e um esquema para contrabandear joias doadas ao governo brasileiro pela Arábia Saudita.

Em março deste ano, a Polícia Federal solicitou que o Sr. Bolsonaro e outros fossem processados ​​pelo escândalo da falsa vacinação contra a Covid. O Ministério Público Federal decidirá se dará prosseguimento à acusação.



Com informações de Brazilian Report.

Similar Posts