Minha Casa Pre Fabricada

Disputas europeias agitam extrema direita brasileira

“A vitória do povo mostra que a agendas impostas pelo sistema não estão satisfazendo seus desejos”, Jair Bolsonaro, ele próprio eleito presidente do Brasil em 2018 como candidato antiestablishment, comemorado nas redes sociais no início deste mês, referindo-se ao avanço dos partidos de extrema direita nas eleições para o Parlamento Europeu.

Embora grupos pró-UE de centro-direita e centro-esquerda ainda controlem a maioria dos assentos em Bruxelas, os apoiantes do antigo Presidente Bolsonaro – incluindo o seu filho e aliados – celebraram os resultados como se fossem a sua própria vitória.

Neste domingo, quando a França realizar suas eleições legislativas, essa identificação da direita brasileira com as disputas europeias deverá se intensificar. Bolsonaro fez do presidente Emmanuel Macron um inimigo pessoal, insultando até a primeira-dama francesa. Macron criticou duramente o desmatamento na Amazônia que o governo de Bolsonaro incentivou.

No entanto, no meio deste envolvimento dos brasileiros pró-Bolsonaro na política europeia, o professor de relações internacionais David Magalhães observa que os apoiantes de Bolsonaro não compreendem as diversas agendas da extrema-direita europeia.

Por exemplo, enquanto os bolsonaristas celebravam o sucesso do partido francês de extrema-direita Reunião Nacional (RN), um grupo amplamente a favor do direito ao aborto, os aliados de Bolsonaro têm pressionado por leis mais rigorosas sobre o aborto no Brasil, mesmo em casos de violação.

Existem poucas semelhanças substanciais entre a direita radical francesa e a direita bolsonarista. “Para o RN, o…



Com informações de Brazilian Report.

Similar Posts