Minha Casa Pre Fabricada

Anulações de lavagem de carros como ônibus de Londres

Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, pediu ao Supremo Tribunal na quinta-feira a suspensão de uma pena de prisão domiciliar por corrupção e lavagem de dinheiro – e uma multa de R$ 45 milhões (US$ 9 milhões) imposta como parte de um acordo de confissão de culpa do próprio tribunal aprovado em 2019.

A OEA caiu em desgraça durante a Operação Lava Jato, uma enorme força-tarefa anticorrupção, e desde então saiu com sucesso da proteção contra falência e mudou seu nome para Metha.

Pinheiro foi citado 21 vezes na condenação por corrupção e lavagem de dinheiro de 2017 que levou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão. O ex-juiz Sergio Moro – agora senador pela oposição de Lula – concluiu que a OAS pagou subornos a funcionários da Petrobras em troca de contratos de aquisição.

Em 2021, o Supremo Tribunal anulou as condenações criminais de Lula alegando que Moro era um juiz tendencioso.

As fotos mostram que Pinheiro e Lula visitaram juntos um prédio de apartamentos de luxo no Guarujá, cidade litorânea do estado de São Paulo, em 2014. A construção do prédio começou sob outra empresa, mas a OAS assumiu em 2009 e o concluiu, incluindo o apartamento triplex que Lula visitou.

Lula foi condenado por corrupção por supostamente ter recebido o apartamento (e suas reformas) da OAS, e por lavagem de dinheiro por supostamente tentar ocultar o bem.

A nova petição de Pinheiro surge na sequência da recente decisão do ministro Dias Toffoli de suspender o pagamento de BRL 8,5 mil milhões (USD 1,7 mil milhões) em multas ao abrigo de um acordo de leniência assinado pelo conglomerado global de construção Novonor, anteriormente conhecido como Odebrecht, outra grande empresa de Lava Jato. alvo.

Pinheiro foi preso em 2014 e 2016 e está em prisão domiciliar desde 2019.

O governo Lula e ministros indicados pelo presidente têm trabalhado para encobrir a história e retomar projetos de edições anteriores do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), pacote de investimentos públicos em infraestrutura que deixou para trás um extenso histórico de corrupção e projetos inacabados – vários dos quais foram investigados pela própria Lava Jato.



Com informações de Brazilian Report.

Similar Posts